Pacientes transgêneros e com diversidade de gênero têm maior probabilidade de serem vítimas.

Um estudo recente conduzido por pesquisadores do Laboratório de Pesquisa de Equidade em Saúde...




Um estudo recente conduzido por pesquisadores do Laboratório de Pesquisa de Equidade em Saúde da Cambridge Health Alliance e do Departamento de Psiquiatria da Escola de Medicina da Harvard descobriu que pacientes transgêneros e com diversidade de gênero (TDG) de um sistema metropolitano de saúde com rede de segurança experienciaram mais tentativas de suicídio, ideação suicida e vitimização por violência do que outros pacientes do sistema de saúde.

O estudo, publicado na World Medical and Health Policy, contribui para a crescente literatura sobre saúde mental de pessoas TDG.

Pessoas transgênero e com diversidade de gênero são pessoas cuja identidade de gênero difere do sexo atribuído ao nascimento. A coleta de rotina de identidade de gênero ainda é limitada em pesquisas nacionais e bancos de dados administrativos de saúde, o que tem se mostrado um desafio para a saúde da população e para pesquisas no sistema de saúde que busca entender os riscos e os pontes fortes das populações TDG.

Este estudo identificou 916 indivíduos potencialmente transgêneros e com diversidade de gênero em prontuários médicos, usando códigos de diagnóstico relacionados a cuidados de afirmação de gênero e pesquisando e revisando notas clínicas com palavras-chave relacionadas à identidade de gênero entre os anos de 2008 a 2019. Pesquisadores então compararam os resultados de saúde dos indivíduos com 511.026 outros pacientes no sistema de saúde.

Pacientes TDG que foram identificados, experienciaram mais tentativas de suicídio (5,2% vs. 0,4%), mais ideação suicida (20,5% vs. 1,8%) e mais vitimização por violência (5,4% vs. 1,7%) do que outros pacientes no sistema de saúde. A vitimização por violência também foi independentemente associada a maior tentativa e ideação de suicídio. No entanto, pacientes identificados como TDG sem nenhuma evidência documentada de vitimização por violência ainda tinham taxas de tentativa e ideação de suicídio mais altas do que outros pacientes no sistema de saúde que sofreram vitimização por violência. Isso sugere que a vitimização por violência explica parcialmente, mas não explica a diferença no risco de suicídio entre os dois grupos.

O risco elevado de tentativa de suicídio e ideação suicida associado a ser uma pessoa identificada TDG permaneceu, mesmo após o ajuste por idade, vitimização por violência, se alguém tinha seguro de saúde Medicaid, raça branca vs. não branca, assim como a interação entre a identidade TDG e vitimização por violência. Pacientes identificados como TDG também tiveram taxas mais altas documentadas de depressão e ansiedade, uso de substâncias, e uso de serviços de saúde física e comportamental. Algumas das taxas mais altas de diagnósticos de saúde mental e uso de substâncias podem estar relacionados ao fato de que pacientes TDG são mais propensos a serem examinados para essas condições antes de iniciar certos tipos de cuidados de afirmação de gênero, como hormônios. Outros pacientes no sistema de saúde podem ter muito menos probabilidade de terem sido examinados para essas condições e, portanto, menos probabilidade de serem diagnosticados ou em tratamento.

Autores do estudo acreditam que os resultados apontam para a necessidade de políticas de afirmação para transgêneros em todos os níveis. Experiências negativas como marginalização, discriminação com base no gênero, e discriminação na área da saúde são mais comuns entre as pessoas TDG em comparação com outros grupos, inclusive dentro da comunidade LGBTQ+. Os efeitos dessas experiências negativas são agravados por condições sociais adversas vividas por essas pessoas, como instabilidade financeira, falta de moradia e desemprego, contribuindo para taxas mais altas de suicídio.

“A Cambridge Health Alliance começou a treinar seus funcionários para que perguntas sobre orientação sexual e identidade de gênero sejam feitas aos pacientes”, disse o co-autor do estudo Nathaniel M. Tran. “Como sistema de saúde, começamos a perguntar a cada paciente sobre potenciais necessidades sociais, como acesso a alimentos, condições de moradia e relacionamentos violentos. Ao perguntar rotineiramente aos nossos pacientes sobre essas potenciais áreas de necessidade, podemos reduzir o estigma, fornecer apoio adicional durante suas visitas, e conectá-los/as com recursos disponíveis na comunidade. ”

Outras políticas em nível de instituição, como postar publicamente sobre identidade de gênero e políticas de não discriminação de expressão de gênero, respeitar as preferências de atribuição de espaços públicos, e estabelecer protocolos para afirmar interações com pacientes transgêneros e com diversidade de gênero, podem levar a um atendimento mais abrangente. Além disso, o treinamento específico sobre prevenção de suicídio e avaliação de risco de violência deveria ser obrigatório para profissionais de saúde, estagiários e equipe não médica que interage com o grupo de pacientes.

A co-autora do estudo Natalie Bird observou que, além de reduzir as barreiras que pessoas TDG tem ao tentar ter acesso à saúde, incluindo seguro de saúde e provedores de serviços médicos experientes, “esforços devem ser realizados para identificar as necessidades únicas da população TDG e como essas pessoas diferem entre si ao se considerar outras identidades, como raça por exemplo. Que tipo de preocupações específicas as pessoas TDG podem ter e que podem ser tratadas pela comunidade de saúde para demonstrar seu apoio? Um exemplo é fornecer educação sobre a interação entre métodos anticoncepcionais e tratamento com testosterona para pessoas com útero”.

Ela diz que estudos futuros podem auxiliar em áreas em que pacientes TDG têm dúvidas.

A Cambridge Health Alliance é um sistema de saúde comunitário acadêmico comprometido em fornecer cuidados de alta qualidade nas comunidades metropolitanas do norte de Cambridge, Somerville e Boston. CHA tem experiência em cuidados primários, cuidados especializados e serviços de saúde mental / uso de substâncias, bem como no atendimento de populações diversas e complexas. Inclui dois campi hospitalares, uma rede de cuidados primários e práticas especializadas e o Cambridge Public Health Dept. Os pacientes da CHA têm acesso contínuo a cuidados avançados através da afiliação do sistema com Beth Israel Lahey Health. A CHA é afiliada à Escola de Medicina, Escola de Saúde Pública e Escola de Odontologia da Universidade de Harvard e também à Escola de Medicina da Universidade Tufts.


Fonte: https://www.braziliantimes.com

3 visualizações0 comentário